Bahia, 1 de outubro de 2016

Últimas Notícias

Aberto prazo para atualização do Prouni

O Ministério da Educação abriu prazo para as instituições de ensino fazerem a atualização das bolsas do Programa Universidade para Todos. O procedimento é obrigatório.


Leia mais
Colégios criam atividades para quem não é aluno

Em tempos de crise, as instituições de ensino estão se reinventando. Há colégios particulares que estão abrindo as portas para quem não é aluno.


Leia mais
Raul Henry é o mais novo conselheiro do CNE

Com longa experiência no poder executivo, nas esferas municipal e estadual, Raul Henry é o mais novo integrante do Conselho Nacional de Educação.


Leia mais
Faculdade particular fecha e deixa alunos sem diploma

Vinte e cinco estudantes concluíram os estudos na faculdade, mas estão sem o diploma. A instituição onde estavam matriculados fechou as portas. Professores também não tiveram rescisão.


Leia mais
INADIMPLÊNCIA EM MG DISPARA E EMPURRA ALUNOS PARA ESCOLAS PÚBLICAS

Muitas famílias mineiras estão com dificuldades em manter as contas em dia. Nas escolas particulares, a inadimplência atingiu uma média quase três vezes maior à registrada nos últimos 10 anos. A expectativa é de 70 mil alunos deixem a rede particular, em 2016, para se matricularem nas escolas públicas.


Leia mais

FACULDADES DE EXATAS MUDAM PARA CONTER EVASÃO

Na UFMG, três de cada 10 alunos que iniciam a faculdade de Física não concluem o curso. A evasão não é exclusividade da instituição. Cursos da área de exatas estão perdendo alunos para outras carreiras. Para especialistas, um dos motivos que justificam o abandono dos estudos é a dificuldade dos estudantes nas disciplinas de cálculo.


Leia mais

LÍDER NO IDEB, PERNAMBUCO APOSTA NO ENSINO TÉCNICO

Apenas dois estados conseguiram atingir as metas estabelecidas pelo Ministério da Educação e lideram o Ideb, principal índice de desempenho da educação básica brasileira. Pernambuco é um deles e resolveu apostar no ensino técnico e em escolas de ensino integral. No estado, o abandono escolar também reduziu.


Leia mais

ALUNOS COM DEFICIÊNCIA PODERÃO SER LIBERADOS DA FREQUÊNCIA MÍNIMA

Pela lei, os alunos do ensino fundamental e médio devem ter frequência mínima de 75% do período escolar para serem aprovados. Mas um projeto que tramita no congresso pode flexibilizar essa norma. Pelo menos para os alunos com deficiência, que passariam a ser liberados da exigência.


Leia mais

© Todos os direitos reservados - Publicação do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado da Bahia - SINEPE/BA
Av. Antônio Carlos Magalhães, 1034 - Edifício Pituba Parque Center - Salas 131 a 134 - 41858-900 Salvador - BA

Telefone: (71) 3358-1791 e 3358-7422 - Fax: (71) 3359-6644 - E-mail: sinepe-ba@sinepe-ba.com.br - Powered by Colégio 24 Horas

Tecnologia:

DIRETORIA

TITULARES DIRETORIA
Presidente: Maria Augusta Oliveira Sena
Tesoureiro: José Daniel Barbosa
Secretário: Nelson Souza
SUPLENTES DIRETORIA
Arnando Lessa Silveira
Jodilton de Oliveira Souza
CONSELHO FISCAL
Jane M. V. Miranda Souto
Maria das Graças Santos
Neide S. Souza
SUPLENTES CONSELHO FISCAL
Mario Cardoso Neto
DELEGADO REPRESENTANTE
Mário Cardoso Neto

HISTÓRIA

O Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado da Bahia - SINEPE/BA, fundado no ano de 1944, sob a denominação de “Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino Secundário e Primário da Bahia”, conforme consta no Certificado de Registro de Associação Profissional de 20 de outubro de 1944, fornecido pela Delegacia Regional do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio e reconhecido pelo processo MTIC 423.605/46. A nova denominação passa a ser utilizada a partir de 18 de agosto de 1988, de acordo com o processo 24000.004664/9117 do Cadastro Nacional de Entidades Sindicais.

O SINEPE/BA. Iniciou as suas atividades na Praça Conselheiro Almeida Couto, sede provisória passando para a sede própria na Av. Antônio Carlos Magalhães, 1034 - Ed. Pituba Parque Center, salas 131 a 134- ala C, e 245 ala A onde se localiza auditório.

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL/2016

A contribuição sindical terá o valor, prazo e condições para pagamento, conforme o previsto em lei, recolhida em guia própria à Caixa Econômica Federal, correspondendo no mínimo, a 60% (sessenta por cento) do valor do salário mínimo vigente no mês.

A contribuição sindical deverá ser recolhida no mês de janeiro de cada ano ou até o último dia do mês em que o estabelecimento de ensino iniciar suas atividades, quando novo.

O não recolhimento no prazo acarretará acréscimo de multa, juros e correção monetária como previstos em lei.

O recolhimento irregular ou que retire da CONFENEN a parte que lhe cabe ensejará contra os responsáveis as ações civis e criminais cabíveis.

A contribuição sindical estabelecida pelos artigos 578 a 591 da C.L.T., recepcionados pelo art. 8.º, inc. IV, da Constituição Federal – se destina à manutenção do sistema confederativo, sendo sua arrecadação distribuída, como previsto no art. 589 da C.L.T., à Confederação, às Federações, aos Sindicatos e à “Conta Especial Emprego e Salário”.

A contribuição sindical é devida por todos os estabelecimentos particulares de ensino, sindicalizados ou não (art. 578, C.L.T.), pelo fato de integrarem a categoria econômica, em decorrência de lei e independentemente de sua vontade.

  • Só está dispensado do recolhimento o estabelecimento que comprovar a isenção, mediante certificado individual e nominal, fornecido a ele pelo Ministério do Trabalho (art. 580, § 6.º, C.L.T.).
  • A contribuição sindical de qualquer estabelecimento de ensino deve ser recolhida em guia própria, contendo o código fornecido pela Caixa Econômica Federal, ao sindicato de estabelecimentos de ensino da região em que estiver situada a escola.

- Só está dispensado do recolhimento o estabelecimento que comprovar a isenção, mediante certificado individual e nominal, fornecido a ele pelo Ministério do Trabalho (art. 580, § 6.º, C.L.T.).

- A contribuição sindical de qualquer estabelecimento de ensino deve ser recolhida em guia própria, contendo o código fornecido pela Caixa Econômica Federal, ao sindicato de estabelecimentos de ensino da região em que estiver situada a escola.

- Não cabe ao MTE fixar valor de contribuição sindical. O assunto é tratado no art. 580 da C.L.T., que fixa percentuais sobre o valor de referência. Desde 1990, não existe valor de referência. Então, aplicável o art. 8.º, inc. IV, da Constituição: a categoria, profissional ou de empregadores, fixar o respectivo valor.

O valor a ser recolhido consistirá na importância correspondente a:

O SINEPE enviou a Guia para recolhimento da GRCSU, mais a escola poderá obter a guia para recolhimento pelo “site” www.caixa.gov.br, GRCSU- Contribuição Sindical Urbana.

O Código Sindical para recolhimento é 015.000.86844-0.
O CNPJ – SINEPE/BA 15.243.009/0001-09
O prazo para pagamento, sem acréscimo, será até 31 de janeiro de 2014.

PERGUNTE AO SINEPE/BA

Este espaço é reservado para a publicação e dúvidas mais constantes de nossos associados e as devidas orientações fornecidas, por telefone e e-mail, pelos Departamentos Pedagógico e Jurídico do SINEPE/BA

Departamento Jurídico

Pergunta:Como posso saber das novas leis em vigor?
Resposta:Acesse nosso menu "Legislação" para maiores informações

Departamento Pedagógico

Pergunta:Como faço pra entrar em contato direto com o SINEPE?
Resposta:Pelo telefone ou e-mail que se encontram no rodapé do site.
Pergunta:O que quer dizer a sigla SINEPE?
Resposta:Sindicato dos estabelecimentos de Ensino do Estado da Bahia.

Mande sua pergunta

Mande sua pergunta clicando aqui.

POR QUE SE ASSOCIAR AO SINEPE?

Temos acompanhado através dos meios de comunicação que, a cada momento os Governos, as instituições, as empresas e outras organizações comerciais e cíveis, vem procurando formas de interagir com o mercado ou suas congêneres buscando soluções para seus problemas e vantagens para seus produtos e serviços.

A formação de blocos econômicos por países, associações empresariais e profissionais, fusões, incorporações e acordos entre empresas e instituições, visando a consecução de objetivos comuns dos componentes de cada nova organização.

Por tanto é preciso pensar sobre a função política de um Sindicato. Naturalmente, todos concordam que, em muitas situações pontuais, um grupo é muito mais forte que uma entidade solitária. E para além dos momentos críticos, ações coletivas representam também uma força extra para qualquer segmento e instituições associadas a um sindicato.

Você e sua escola acham interessante uma postura isolada?

Venha juntar-se a um grupo que tem necessidades semelhantes às suas, tem preocupações e busca soluções que, com certeza, são de grande importância para sua escola.

Além disso, o trabalho do nosso Sindicato reúne uma série de atividades para aprimoramento dos associados no campo social, através de projetos educacionais e culturais. Encontros em Salvador e no interior do estado para troca de experiências. São discussões, cursos, bate-papos e palestras com especialistas qualificados.

Nossa assessoria pedagógica presta orientações com o objetivo de auxiliar na melhoria da qualidade das escolas associadas.

A assessoria Administrativa e Contábil orienta sobre Planilha de custos, orçamento, tributos e contribuições, procedimentos contábeis e outros assuntos pertinentes à área.

Outro diferencial que o estabelecimento de ensino agrega ao se associar é o assessoramento jurídico, nas áreas – tributária, trabalhista, cível e educacional. Este programa é desenvolvido de forma preventiva ou pontual, em relação a problemas das escolas, muitas vezes ocasionado pela falta de informação na hora de tomar decisões.

SEJA UM ASSOCIADO DO SINEPE E DESFRUTE DOS NOSSOS SERVIÇOS.

VENHA PARA O QUADRO DO SINEPE/BA, APOIAR, TRABALHAR E PENSAR NO FORTALECIMENTO DAS NOSSAS ESCOLAS.

Jaime David
Ass. ADM/FIN

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SINDICALIZAÇÃO

XEROX

  • Autorização de Funcionamento do Estabelecimento, publicada no Diário Oficial ou protocolo.
  • Autorização da Diretoria, Vice-Diretoria e Secretária do Estabelecimento.
  • Declaração dada pela escola do número de alunos e cursos oferecidos pelo Estabelecimento.
  • Folha de pagamento dos professores e funcionários, correspondente ao mês da sindicalização.
  • Valor da mensalidade no mês da filiação e anuidade, declaração dada pela escola.
  • Guia da Contribuição Sindical do SINEPE.
  • 2 (duas) fotos 3 x 4 do(a) Dietor(a).
  • Cópia do Contrato Social, Estatuto ou Registro Civil da Pessoa Jurídica.
  • Cópia do Regimento Interno.

OBS: NO ATO DA SINDICALIZAÇÃO SERÁ COBRADA UMA TAXA DE INSCRIÇÃO NO VALOR DE R$ 150,00 (CENTO E CINQUENTA REAIS)

FICHA DE SINDICALIZAÇÃO

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL/2016

A contribuição sindical terá o valor, prazo e condições para pagamento, conforme o previsto em lei, recolhida em guia própria à Caixa Econômica Federal, correspondendo no mínimo, a 60% (sessenta por cento) do valor do salário mínimo vigente no mês.

A contribuição sindical deverá ser recolhida no mês de janeiro de cada ano ou até o último dia do mês em que o estabelecimento de ensino iniciar suas atividades, quando novo.

O não recolhimento no prazo acarretará acréscimo de multa, juros e correção monetária como previstos em lei.

O recolhimento irregular ou que retire da CONFENEN a parte que lhe cabe ensejará contra os responsáveis as ações civis e criminais cabíveis.

A contribuição sindical estabelecida pelos artigos 578 a 591 da C.L.T., recepcionados pelo art. 8.º, inc. IV, da Constituição Federal – se destina à manutenção do sistema confederativo, sendo sua arrecadação distribuída, como previsto no art. 589 da C.L.T., à Confederação, às Federações, aos Sindicatos e à “Conta Especial Emprego e Salário”.

A contribuição sindical é devida por todos os estabelecimentos particulares de ensino, sindicalizados ou não (art. 578, C.L.T.), pelo fato de integrarem a categoria econômica, em decorrência de lei e independentemente de sua vontade.

  • Só está dispensado do recolhimento o estabelecimento que comprovar a isenção, mediante certificado individual e nominal, fornecido a ele pelo Ministério do Trabalho (art. 580, § 6.º, C.L.T.).
  • A contribuição sindical de qualquer estabelecimento de ensino deve ser recolhida em guia própria, contendo o código fornecido pela Caixa Econômica Federal, ao sindicato de estabelecimentos de ensino da região em que estiver situada a escola.
  • Só está dispensado do recolhimento o estabelecimento que comprovar a isenção, mediante certificado individual e nominal, fornecido a ele pelo Ministério do Trabalho (art. 580, § 6.º, C.L.T.).
  • A contribuição sindical de qualquer estabelecimento de ensino deve ser recolhida em guia própria, contendo o código fornecido pela Caixa Econômica Federal, ao sindicato de estabelecimentos de ensino da região em que estiver situada a escola.
  • Não cabe ao MTE fixar valor de contribuição sindical. O assunto é tratado no art. 580 da C.L.T., que fixa percentuais sobre o valor de referência. Desde 1990, não existe valor de referência. Então, aplicável o art. 8.º, inc. IV, da Constituição: a categoria, profissional ou de empregadores, fixar o respectivo valor.

O valor a ser recolhido consistirá na importância correspondente a:

O SINEPE enviou a Guia para recolhimento da GRCSU, mais a escola poderá obter a guia para recolhimento pelo “site” www.caixa.gov.br, GRCSU - Contribuição Sindical Urbana.

O Código Sindical para recolhimento é 015.000.86844-0.
O CNPJ – SINEPE/BA 15.243.009/0001-09
O prazo para pagamento, sem acréscimo, será até 31 de janeiro de 2014.

FALE COM O SINEPE-BA

Presidência: presidencia@sinepe-ba.com.br

Superintendência: superintendencia@sinepe-ba.com.br

Juridico: juridico@sinepe-ba.com.br

Atendimento: atendimento@sinepe-ba.com.br

Contabilidade: contabpessoal@sinepe-ba.com.br

Sinepe-ba: sinepe-ba@sinepe-ba.com.br